Verbetes

Paixão

Posted on: março 21, 2011

Paixão: s.f. coletivo de incertezas.

Eu fico me perguntando se o que sinto por você é suficiente… Tipo o desejo de colocar meu nariz no seu pescoço ou cochilar agarrada no seu corpo numa tarde de domingo antes de começar a semana. Ou o desejo de ter o passe livre pra dividir com você toda a beleza que meus olhos captam e torna meus ouvidos vagabundos. Minha sede pelo seu tato e o sonho de escrever músicas para você. Fico imaginando se isso tudo seria suficiente. Porque eu não tenho medo de amar, mas da ilusão… Tenho medo de estar imersa numa utopia que exclua a vida real. Não só porque eu amo muito a vida, mas porque a realidade é um deus vingativo quando ignorado, que de repente nos agarra pelo crânio e soca nosso rosto contra o muro até não nos reconhecermos mais. Eu fico me perguntando se seria suficiente o simples fato de você ter inventado a solidão em mim. De no fundo, mas nem tão no fundo, acreditar como Sócrates que você me trará uma verdade. E sabe, essa filosofia Grega está bem fora de moda. Para não dizer absurda. E tem também essa moral, sabe? Eu não suportaria descobrir que você foi engolido por mim. E eu estaria realmente confundindo culpa com amor. Então como evitar? Como saber que o que sinto por você é o suficiente para evitar todos os meus erros do passado? E se elas forem as respostas pra eu te conquistar para sempre? Não como a Alemanha à França, mas como os Africanos ao Brasil? Isso é romântico demais, né? Mesmo pra você que escreve poemas antigos feito Castro Alves… Mas sabe, todas estas dúvidas não servem para me separar de você. Pelo contrário. E isto é tudo o que posso te dar: perguntas sem respostas. E mesmo estando em tremenda desvantagem com tantas perguntas eu só fico pensando se é suficiente… E tudo o que faço é pensar e isso não pode ser tão perigoso assim.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

A vida é um carrossel de significados…

template

— Daniela é assim como um jardim selvagem — disse tio Ed olhando para o teto. Como um jardim selvagem... Tia Pombinha concordou fazendo uma cara muito esperta. (...) Mas, e um jardim selvagem? O que era um jardim selvagem? Foi o que lhe perguntei. Ele me olhou com um ar de gigante da montanha falando com a formiguinha. — Jardim selvagem é um jardim selvagem, menina. — Ah, bom ! eu disse”. Lígia Fagundes Telles - O jardim selvagem. In Antes do Baile Verde.

Por letras

Registro

Creative Commons License Verbetes by Daniela Mendes is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License. Based on a work at verbetes.wordpress.com. Permissions beyond the scope of this license may be available at https://verbetes.wordpress.com/.

Folow me

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

%d blogueiros gostam disto: